#11 O meu primeiro e último outfit no blog

Como já anteriormente tinha mencionado (vejam este post), sempre tive um problema com a minha sexualidade.

Ok, não disse dessa forma exatamente, mas acho que perceberam mais ou menos a minha luta com ser “homem” ou continuar a ser cachopa. Cheguei até a duvidar se era “normal” visto sentir uma “raivazita” dos homens quando era mais jovem.

Mas depois de muita “self-analysis” deduzi simplesmente que tinha me metido com idiotas. E por mais que achasse certas mulheres atraentes, eu não dava 100% para esse lado.

Isto para dizer – que vocês já devem estar a pensar, para onde é que tu vais com esta conversa? – que eu acho que a sexualidade ou sensualidade, é overrated, relativa até.

Ora eu acho sexy, mulheres que usem umas calças de ganga de cintura alta, um top e umas botas militares. Não acho grande piada a mulheres que utilizem os seus “atributos” para serem notadas. Acho ridículo. Estamos numa era em que mulheres são objetificadas por tudo e nada. Porque queremos nós pormos “mais lenha na fogueira”?

E atenção, sou pró-mulher. Mas não me venham com merdas de feminismo, que temos toda a liberdade do mundo e que podemos andar por aí a fazer arte com o nosso período ou fazer demonstrações com as mamas á mostra, porque não temos. As mulheres só estão delirantes a pensar que sim. Mas prontos, não quero ser politica. Este blog não é para isso. Mas cada um está entitulado com a sua opinião.

E eu não vou ser hipócrita. Sim também usei saias á cinto ou pus peito em 2011 mas só “o mostrei” com vestidos ou tops mais decotados algumas vezes.

Outra vez, acho sexy, mulheres que se revelem aos poucos e não tudo de uma vez. E eu ter feito tal como por exemplo usar um vestido justo, curto e com decote, só me contorço toda de cada vez que vejo fotos desse tempo.

Penso coisas do género: “Que raio estavas tu a pensar?”

E vocês pensavam que vinham para aqui ler “um texto leve”. Nããããããão essas conversas acontecem em blogs que já existem desde 2008 e que o pessoal tenha muito a perder. A moda dos blogs em 2020 é mesmo dizer a verdade, quer ela doa ou não. Ou pelo menos no meu.

Isto para dizer com este post, que eu defendo 100% pessoas que são genuínas. Como eu disse, a única coisa falsa em mim são só mesmo as mamas, e sim consegui amamentar o meu filho durante um ano e meio que mais parecia uma vaca leiteira (para quem tem curiosidade se se pode ou não amamentar com peito de silicone).

E porque é que o fiz? Ora, porque sentia-me mal na minha pele. Não me achava sexy, não me achava feminina, não me achava eu própria. E porque passei quase seis meses no Algarve rodeada de mamaçal.

Literalmente, 75% das minhas amigas tinham mamas grandes e eu sentia-me ali no meio tal como um rapazinho.

Pus o peito em 2011 e a foto em baixo é de Maio de 2012. A minha primeira foto com um “outfit” para o blog.

Como vocês podem ver, a minha atitude de “posso ter uma vagina mas dou-te com a minha bota na tua cabeça se te meteres comigo”, não mudou! Continuava e continuo masculina. Até hoje. Com ou sem peito.

É raro usar vestidos ou roupa que revele algo, porque primeiro: sou mãe, segundo: tenho 35 anos e terceiro: o peito é para mim, não para outras pessoas.

No entanto, como eu mencionei acima, eu acho mulheres que usem calças de ganga e botas estilo militar, super sexys, com ou sem peito.

Homens então. Hold my boot! hahaha

Enfim, o post de hoje era mesmo para vos contar sobre a minha relação com o corpo. E como vejo que a pessoa que era em 2012 continua a ser a mesma que em 2020, só que com cores mais “calmas” e se calhar com uma atitude mais humilde e muuuuito mais intensa.

E vocês, acham que mudaram muito nos passados oito anos?

2012

2020

Leave a Reply