How to live more sustainably

 

Everyone has skeletons in their closets, specific things that haunts us and I have my very own share.

Something happens when you become a mom. Suddenly the world turns upside down and makes a 360 degrees turn. What you thought was right, stops being altogether.

During those endearing months of maternity leave I decided that my phone should stay out of the bedroom when I was nursing or doing the “routine” (bath, massage while singing lullabies and nursing my baby to sleep). While nursing M which some days could last a few good hours, I would just sit there, in a dimmed light looking into an empty wall.

In those occasions my mind wandered. I thought of friends that no longer were, I thought of how I wanted so much to do something to occupy my mind (even if my time/attention span was limited), I thought of how I wanted change.

I had always thought of how the things / projects I’d done were short lived and how most likely it was because I believed deep down that they wouldn’t work out. Well, in some extent, it was true. The projects I started were dead from the beginning. When your mindset is all wrong, it will never work. That much I have learned whilst busting my flat ass for hours on end.

During maternity leave we were living at our “summer” place (Denmark has summer yes 😉) due to the fact that it was only on one level and I had a pretty large backyard where I could just open the door and the dogs would just run out and do their business.

However, in a summer house area, the garbage/recycling bins are only picked up a few times a month. The garbage would be picked up twice a month and plastic/paper/metal once every two months.

I remember that time as a very hard period, as life with a baby can be daunting. A new born can be changed 5/7 or more times a day. Normally I would use disposable wipes or foam cloths to clean his bum and oh yeah plastic bags to contain the dirty plastic diapers (pee or poo).

When the garbage container was filled to the brim with daily waste and dirty baby stuff I would start “recycling” hardcore just to get rid of the garbage we were producing. I’m telling you, I was so depressed. I started obsessing over the amount of plastic we were using. Because I was staring at IT daily and IT was staring back at me.

Then I started thinking about our impact, researching about the real consequences our footprint has on the planet and started thinking like an entrepreneur. I began researching into how to create a soluble capsule containing shampoo or conditioner or any beauty cleaning product.

I just needed to create the capsule which would dissolve upon the contact with water. I did find a company that produced degradable pods but something happened then which stopped me from going ahead with my idea.

I had found a website (with innovative creators) that were designing and creating innovative sustainable products. They were researching and were experimenting a product which was very similar to the capsule I was looking into. The team was formed by PHD’ed folks. And I was just a concerned clothing designer. What did I know? I thought, if they can’t find a solution, how will I?

And that was that. It’s a brilliant idea, I’m not shutting it down entirely because it would dramatically change something.

I follow this girl on Instagram and she recently wrote a post about how the mom police barged in and started criticing her indirectly into how she wasn’t doing sustainable the right way or enough. She had just started a really cool movement #miljømandag (environment Monday) where she encourages people to share their sustainable initiatives. Personally, I think that is brilliant. We just a need a handful of bloggers/influencers supporting the cause. And that is, to bring awareness into our lives. To influence us into making better decisions concerning our planet. JUST A FEW will make an enormous change guys. I’m telling you.

Also, trying to live more sustainable and bragging about it should NOT be annoying for us, for you. It should be awakening. If you turn on the news you see and read about the catastrophes currently happening. If you don’t know why and have been living under a rock, global warming is the culprit. Climate change is a thing and is the consequence of how we are doing things. If you’re okay with it, then close this page and move on.

If I sound aggressive it’s all Steve Jablonsky’s fault. He makes some mean epic music and it’s perfect to talk about serious things.

ANYWAY

I’m no longer a chicken or a sheep. I’m doing this and what is THIS?

THIS is a #sustainablelife “challenge”. It’s being fully aware of my impact in this planet and doing something about it. It goes like this:

  1. Shop local (groceries, clothes, beauty products)
  2. Produce less waste (garbage, food, etc.)
  3. Buy less plastic contained products (that means also changing my diet)
  4. Use energy with prudence
  5. Reduce my meat consumption #meatlessmondays
  6. Stop drinking bottled water
  7. Recycle hardcore (PPB: Paper, plastic, BIO)
  8. Turning off (also unplug devices) lights/appliances when not using them
  9. Changing baby diapers (done)/wet wipes/tampons to Eco Naty
  10. Go paperless (receipts, bank statements, letters, kitchen roll paper, etc.)
  11. Curb my water use (short showers, dish washing, teeth washing, laundry, etc.) (doing it)
  12. Smarten up my house (making it more energy efficient)
  13. Drive less, walk more, use bicycle (starting today)
  14. Write down your steps and see how much you actually save. Because living sustainably is also a huge money saver and who doesn’t like more money in our wallets? (starting tod
  15. Shop sustainable fashion, vintage and second hand clothing, shoes and accessories. Hello I blame Lulu!
  16. Use biodegradable dog poop bags for doggies poo and dirty diapers (doing it)
  17. Say NO thank you to disposable coffee cups. Bring my own instead
  18. Stop buying plastic bags in the supermarket, bring my own.
  19. Wash clothes under 30 degrees in the washing machine (microbeads)
  20. Stop buying polyester clothes

And the list goes on. But I will start with these little changes. And I think honestly that this is a huge step.

I sincerely hope that my story has inspired you and that maybe you’ll join me. I would love to know that I’m not alone. Together we can do this.

Looking forward to hear from you in the comments below.

Do you think its utopian thinking or do you agree?

Share this if you do agree and if you’re in the challenge tag me in IG 😃

Thank you so much for reading.

xx

Worth a peek: https://www.plasticpollutioncoalition.org/take-action-1

_____________________________________________________________________________

Todos nós temos esqueletos nos nossos armários, certas coisas que nos atormenta e eu tenho a minha parte.

Algo acontece quando te tornas mãe. De repente o mundo vira de cabeça para baixo e da uma volta de 360 graus. O que pensavas ser certo, já não o é.

Durante os meses ternurentos da licença de maternidade decidi logo de início que o telemóvel ficava fora do quarto durante o amamentar ou quando na chegada da noite preparava o meu bebé para dormir (a rotina, o banhinho, a massagem com canções gentis, de novo o amamentar). Havia vezes que a amamentação prolongava-se por várias horas e nessas alturas num quarto com a luz baixa olhava fixamente para uma parede vazia.

Era aqui que a mente divagava. Pensei em amigos que já não o são. Pensei em como queria muito ocupar a minha cabeça com outras coisas (mesmo que o tempo e a atenção era limitado/a). Pensava em mudança.

Sempre tive a opinião critica de que muitas das coisas que fiz, projetos que iniciei tiveram pouca dura pois não acreditava 100% na causa. Achava que a causa em si estava “morta” logo de início. Numa certa parte, era verdade. Não acreditando completamente na tarefa em si é um mindset perigoso para qualquer pessoa que queira arriscar o seu tempo/dinheiro em algo novo. Só com o mindset certo, seja aquilo que for que queiras fazer terá sucesso. Aprendi isto tudo depois de muitas horinhas a dar no duro horas sem fim.

Durante a licença de maternidade, estávamos a viver na nossa casa de “verão” (sim há verão na Dinamarca :D) devido ao simples facto de não ter que subir e descer escadas com um bebé num braço e dois cães no outro. Temos um jardim bom para os meus bebés peludos fazerem as necessidades deles, ladrarem aos vizinhos e correr que se fartassem.

No entanto a casa esta localizada numa zona de casas de verão, onde os contentores de lixo/ reciclagem são esvaziados 2/3 vezes por mês. Estão a imaginar bem a minha vida não é? Um bebé pequeno tem de ser mudado 5/7 vezes ou mais por dia e para lhe limpar usava toalhitas de bebe ou pedaços de espuma (plástico: Polyurethan) – (embebidos em água).

Lembro-me bem desse tempo ser muito difícil. Não só tinha de tratar de um bebé, mas também me tinha de preocupar com o lixo que produzia. Quando o contentor de lixo estava cheio de lixo diário e fraldas de bebe começava o reciclar hardcore (já o fazia, mas ás vezes cansada não tinha muita atenção). Eu fiquei chocada e obcecada com a quantidade de lixo a.k.a plástico (muito mais que papel/cartão) que nós consumimos. Eu ficava especada a olhar para aquilo sem saber o que fazer e aquilo olhava especado para mim a dizer-me “e agora?”.

Comecei então a pensar no impacto que nós temos no planeta. Comecei a pesquisar sobre as verdadeiras consequências sobre a nossa footprint neste mundo e acabei por começar a pensar como uma verdadeira entrepeneur. Um dos problemas que vi que poderia ser facilmente resolvido eram as garrafas de shampoo/condicionadores/beleza.

SÓ precisava de uma cápsula que se desintegrasse com o contacto com água. Encontrei uma empresa em Espanha que produzia os tais “pods” feitos de amido de milho (cornstarch) mas algo me parou de querer continuar o tal produto.

Tinha encontrado um site com criadores inovadores que inventavam e desenhavam ideias sustentáveis e amigável com o ambiente. Eles estavam naquele momento a pesquisar a melhor maneira de retirar completamente o uso de plástico em produtos como shampoos, etc. Ora o produto em si era bastante similar ao meu e eles eram senhores doutores em engenharia, ciência e sei la mais o que. E eu uma estilista com ideias demasiado utopistas. Se eles ainda não encontraram a solução final como conseguiria eu?

E foi assim. Pouca dura. MAS continuo a achar que é uma ideia brilhante e quem sabe se não me meto nisso? Mudaria o cenário completamente.

Eu sigo esta moça no instagram e ela recentemente teve de escrever um post no blog dela porque se sentia perseguida pela “mãe mafia”. Aquelas mães que gostam muito de opinar, de julgarem, de dizer em voz alta exatamente o que acham de ti, do que fazes. Ela começou um movimento (que eu pessoalmente acho genial) chamado #miljømandag, #segundaambiente onde ela encoraja os seguidores dela a partilharem ações sustentáveis na vida diária. Infelizmente houve certas pessoas que se acharam no devido dever de comentar que ela não fazia isto ou aquilo bem ou sustentável o suficiente. A miúda ainda agora começou e já lhe estão a meter para baixo. São por estas e outras que o ser humano não evolui em certos e determinados niveis.

Eu acho, se me perguntam a mim, iniciativas destas são necessárias. Especialmente vindas de pessoas com imensa influência na média a.k.a em nós como consumidores ávidos. É necessária, senão imperativa a necessidade de haver sensibilização no que toca á importância de sermos mais sustentáveis e de tomarmos decisões corretas em relação ao nosso futuro aqui neste planeta.

SÓ mesmo uma pequena quantidade de pessoas influentes poderá fazer uma diferença enorme. Garanto-vos.

Também o facto de nós com muito orgulho partilharmos as nossas ações e gabarmo-nos sobre tal não deveria ser tabu. NUNCA! Mas deveria sim ser interpretado como inspiração. Devia nos sensibilizar para as consequências ocorrentes no mundo. Se ligarmos a televisão nas noticias podemos facilmente ver as consequências que o aquecimento global tem no planeta e em como a mudança do clima é uma realidade e como deveria ser levada a sério. Se achares que é tudo uma fantochada. A porta é serventia da casa (acho que se diz assim 😊).

ANYWAY.

Parou de ser uma galinha. Parou de ser uma ovelha.

Tenho fé e vou começar ISTO. E ISTO é o que concretamente?

ISTO é o desafio #vidasustentavel. Significa ser completamente consciente do meu impacto negativo no planeta e praticar pequenas ações que tenham menos impacto. Ou seja, tentar ao máximo que possa ser sustentável e ter alta consideração ao ambiente. Como é que vou fazer tal?

  1. Fazer compras localmente (comida, roupa e produtos de beleza)
  2. Fazer menos desperdício e menos lixo
  3. Comprar menos embalagens em plástico (isto também significa mudar os meus hábitos alimentares)
  4. Usar energia com mais prudência
  5. Reduzir o meu consumo de carne #meatlessmondays
  6. Parar de beber garrafas de água (beber da torneira)
  7. Reciclar como se não houvesse amanha (PPB: papel, plástico, biodegradável, e não só)
  8. Desligar luzes/ aparelhos eletrónicos que não esteja a usar, tirar carregadores da tomada.
  9. Mudar a marca de fraldas/toalhitas/tampões para Eco by Naty
  10. Preferir “sem papel” (enviar cartas, recibos, extratos de conta, papel de cozinha, guardanapos, etc.)
  11. Reduzir o meu consumo de água (tomar duches curtos, lavar pratos, lavar a roupa, etc.)
  12. Tornar a casa mais energia eficiente (em termos de lâmpadas, termostatos, aquecimento, ar condicionado, ventilação, etc.)
  13. Conduzir menos. Usar alternativas ao transporte individual como transportes públicos, utilizar a bicicleta/scooter “privada” ou publica, andar mais.
  14. Apontar todos os passos que se tome bem como todo o dinheiro poupado. Porque ao se viver mais sustentável poupa-se dinheiro e quem não gosta de ter uns dinheirinhos a mais na nossa carteira para se aproveitar a vida?
  15. Comprar pecas de roupa (moda em geral) sustentáveis (fibras naturais e marcas de moda “lentas” e que tenham princípios ambientais. Investir em pecas vintage e de segunda mão. Há imensas lojas aqui em Copenhaga que vendem coisas incríveis.
  16. Usar saquinhos de coco para os cães/bebes biodegradáveis. Como por exemplo estes.
  17. Dizer NÃO obrigado a copos de café com tampa de plástico (Starbucks por exemplo tem copos reusáveis á venda).
  18. Parar de comprar sacos de plástico que não sejam biodegradáveis. Ideal seria usar sacos de papel para o lixo (vem amanha vídeo sobre isto).
  19. Lavar roupa na máquina com temperaturas abaixo dos 30 graus.
  20. Parar de comprar roupa ou pecas com polyester.

E a lista continua. Mas primeiro vou-me iniciar nestes pequenos passos. E acho que vai fazer uma diferença enorme. Imagina se só 1% da população fizesse isto? Seria genial não era?

Bem, espero que a minha loooonga história te tenha inspirado e que talvez te queiras juntar ao movimento? Se sim, partilhas comigo? Conta-me tudo! E se te juntares ao desafio taga-me no Instagram com a hash #vidasustentavel 😃

Desejosa de ouvir notícias desse lado com histórias fantásticas!

Obrigada por leres!

Muitos beijinhos xx

Merece uma leitura: https://www.plasticpollutioncoalition.org/

Leave a Reply